Reflexão, introspecção e gratidão

"Em terras de aparências, ouse ser essência."

Priscilla Santos


Estamos prestes a fechar mais um ano, mais um ciclo…É hora de parar um pouco e refletir sobre:

  • O que me trouxe este ano?

  • Que aprendizagens recebi?

  • Em que é que evoluí?

  • O que mudou em mim?

  • O que tenho a agradecer?

Por esta altura costumo guardar um tempo para mim para fazer esta reflexão, o meu momento de introspeção sobre todo este ciclo, tomando uma consciência mais profunda da transformação que este ano me deu e agradeço por ele.


Para me ajudar nesta reflexão no fim do ano escrevo sempre sobre o mesmo, permito-me apenas relatar o que aconteceu, bom, menos bom, como cresci e evolui. Depois desta reflexão construo o meu mapa dos sonhos, uma linda ferramenta que me foi dada a conhecer pela inspiradora Maria (@maria.maeguru)…nele projeto tudo o que quero agradecer, tudo o que eu sou e tudo o que eu quero alcançar no próximo ano. Assim, todos os anos releio o meu mapa dos sonhos para aquele ano que termina e crio um novo para o ano seguinte.


No mapa do sonhos defino concretamente o que desejo obter no campo familiar, no campo profissional, no campo amoroso, que formação quero obter, que projetos quero criar ou desenvolver, o que quero fazer por mim, que viagens quero concretizar e tudo mais que te venha à cabeça. Tento ser o mais concreta, precisa e detalhada sobre essa metas...e assim escrevo para o universo.



Muitas vezes, ao reler ao fim de um ano o meu mapa do sonhos, chego à conclusão que consegui concretizar quase tudo, outras vezes não e está tudo bem na mesma. Se não consegui alcançar tudo o que mentalizei, tento perceber o que o último ano me deu e não estava planeado, não estava escrito por mim, as novas vivências adquiridas. E o mais belo disto tudo é que por vezes alcanças algo muito mais importante do que tudo o que planeaste....e aí está a essência deste momento. A vida mostra-nos que o melhor não é o planeado...e mesmo quando acontece algo menos bom, esse momento traz também uma aprendizagem, um ensinamento, uma evolução.


Outra reflexão que faço é sobre o que tenho a agradecer no último ano...a corrente da gratidão. Vou ao pormenor das coisas mais simples, essenciais e basilares. Permito-me ainda reavivar quem eu sou, qual a minha verdadeira essência, o que tenho de mais precioso, bonito e natural...o que vem de dentro. Liberto-me de julgamentos, padrões ou comparações....desapego-me e crio a minha lista. É engraçado que de ano para ano, quando faço esta reflexão mais profunda de quem eu sou, a lista é sempre muito idêntica, porque as nossas bases, os nossos valores, os nossos princípios estão sempre lá...sofras ou não tu várias transformações na vida.


Sobretudo, neste fechar de mais um ciclo, é importante interiorizar que temos e somos o essencial, que está tudo bem, com todas as adversidades, dificuldades ou pedras que a vida nos põe no caminho. Começas assim o ano com a cabeça erguida, porque juntarás todas essas pedras para conseguir subir mais alto, crescer e evoluir.


Existe um conto do oriente chamando "O essencial e o trivial" que nos conta:


"Um homem extraviou-se no deserto. Estava moribundo quando aparaceu uma caravana. Os que viajam nela mal se aperceberam da situação do homem sedento, que penosamente pôde soltar uns gemidos pedindo auxílio. Várias pessoas correram até ao homem e rodearam-no. Agonizando, murmurou: "Água, água, por favor." Os da caravana olharam para ele demoradamente e começaram a perguntar-se como queria aquele homem que lhe servissem a água. Preferiria que fosse num cálice de cristal ou numa chávena? Num recipiente de ouro ou prata? Talvez num copo ou quereria ele bebê-la diretamente dos cantis de pele dos cameleiros? Quem ali se encontrava discutia estas questões sem parar, questionando-se qual seria o recipiente mais adequado para lhe dar de beber, quando o moribundo soltou o último suspiro.


Há uma neblina na mente que distorce o entendimento e nos faz prestar atenção ao trivial e desconsiderar o essencial. Essa ofuscação da mente turva a percepção, a cognição e a reação. Frequentemente nas nossa vidas, de forma impensada e por falta de entendimento, preocupamo-nos e ocupamo-nos do banal, descuidando o essencial, deixando-nos prender nas redes mentais da ilusão e da confusão."


Por isso mentaliza e foca a Tua jornada no essencial, este pode ser o Teu propósito para o novo ano, não esquecer ou descuidar a Tua essência.




61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo