Desenvolve o teu amor próprio

Atualizado: 21 de abr. de 2021

"Ninguém é capaz de amar o próximo, sem se amar a si próprio."

Jesus Cristo


Quantas vezes damos por nós a pensar “eu sou incapaz”, “eu não consigo”, quantas vezes nos olhamos no espelho e não gostamos do que vemos, ou porque queremos ser mais magras (os), ou mais gordas (os), ou mais altas (os) ou mais baixas (os). Estes são alguns dos sintomas de que necessitamos de desenvolver o nosso amor-próprio.


Outra forma de expressar esta falta de amor-próprio é a vitimização, quando desenvolvemos pensamentos como “estas coisas só me acontecem a mim…” ou “eu sou sempre o patinho feio”. A vitimização é uma máscara para as pessoas não assumirem os seus próprios problemas, e perceberam que a resolução dos mesmos está apenas nelas. É sempre mais fácil dizer ou assumir que a culpa de um problema que eu tenho é de outra pessoa ou de condicionantes da vida. Mas interiorizem que somos os únicos responsáveis pelo que nos acontece, e cabe a cada um de nós perceber o ensinamento que eu tiramos de cada situação. Em vez de se vitimizarem pensem “o que esteve na origem deste problema?”, “que lição isto me traz”, “como o posso resolver ou melhorar?”.


Depois de ter perdido dois bebés, e ter sofrido tanto para ter o meu filho nos braços este tipo de pensamentos de vitimização eram uma constante, “porquê a mim”, “porque tenho que sofrer tanto para ser mãe”. Hoje percebo que estes acontecimentos na minha vida foram uma lição, trouxeram-me ensinamentos muito importantes, foram necessários para o meu crescimento. Com eles aprendi a importância e a necessidade de abrandar o meu ritmo, de me valorizar mais, pensar mais em mim, e no que realmente importa na vida, esquecer o que é supérfluo e material. Muitas vezes a vida não nos mostra o ensinamento no imediato, mas mais tarde ou mais cedo iremos perceber o porquê de ter passado por determinada situação. E foi com estes ensinamentos que eu mudei gradualmente o meu estilo de vida.


O primeiro passo para desenvolvermos o nosso amor-próprio é sabermos assumir que não nos amamos verdadeiramente e que não iremos conseguir amar alguém verdadeiramente se não o trabalharmos. E isto não pode ser visto, em circunstância alguma, como egocentrismo ou egoísmo.


Somos aquilo que somos, e somos seres maravilhosos independentemente da nossa raça, do nosso aspeto físico, da nossa personalidade, da nossa classe social, da nossa conta bancária. Todos somos seres especiais e todos temos uma função na terra, ninguém é melhor ou pior do que eu. Aceita-te tal e qual como tu és, no agora, no momento exato em que lês estas palavras. Contudo, isto não invalida de querermos mudar alguns aspetos da tua vida, de quereres mudar para um estilo de vida mais saudável, mas antes de o fazeres é essencial que te aceites.


Essencial ainda é saberes perdoar-te de alguma conduta menos positiva ou de alguma culpa que tragas contigo. Todos erramos na vida, não existe ser humano que não o tenha feito, contudo os nossos erros são a chave da aprendizagem, são eles que nos fazem crescer e evoluir, e iremos errar até morrer.


Sempre que te olhares ao espelho repete, de preferência em vós alta, as seguintes palavras “Eu amo-me, eu perdoo-me, eu aceito-me assim como sou”, podes e deves também usar estas palavras para alguma pessoa se necessário. E repete este pensamento ao longo do teu dia como um mantra.


Sei que muitas vezes não é fácil aceitar estas palavras no nosso interior, muitas vezes até por estímulos negativos que recebemos de outras pessoas. Contudo se isso acontecer, aprende a perdoar o outro, certamente essa pessoa também não se ama a ela própria e projeta nos outros as suas frustrações, os seus medos.


Nunca, em circunstância alguma, te compares a outra pessoa, ou queiras ser igual a outra pessoa, porque tu és única (o) e não existe ninguém igual a ti. Não queiras ser igual a ninguém, não queiras a vida de ninguém, não vivas focada (o) no que as redes sociais te mostram que em nada corresponde à realidade, sê a melhor versão de ti mesma (o).

Acredita sempre, tu és linda (o), tu és luz, tu és amor, e tens um papel essencial no mundo.






MANTRA: Eu amo-me, eu perdoo-me eu aceito-me assim como sou!



"Amar a si mesmo é o começo de um romance para toda a vida."

Oscar Wilde



152 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo